Uma pessoa usando um note book e desenhos e ícones sobrepostos na imagem
Ícone de um calendário
13/12/2021
Categorias
Institucional, Tecnologia

Golpes digitais: o que fazer para se proteger desse tipo problema

Nos últimos anos a onda de ataques digitais pelo mundo tem se tornado cada vez mais comum. Nesse cenário, o Brasil está no ranking dos cinco países mais afetados por fraudes digitais, segundo o relatório Fraud & Abuse Report da Arkose Labs, empresa norte-americana especializada em segurança da informação.

Para se ter uma ideia, somente no primeiro semestre de 2021, o número de ataques fraudulentos chegou a R$ 1,9 milhão, de acordo com a Serasa Experian. É o maior volume de ataques já registrado desde que o levantamento começou a ser realizado, em 2011.

Ainda conforme a Serasa, os golpes aumentaram por conta da alteração do comportamento do brasileiro, que passou a adquirir bens e serviços de maneira online. Como a previsão é de que os números aumentem, considerando a aceleração da digitalização por conta da pandemia do coronavírus, é importante tomar alguns cuidados na utilização e acesso de plataformas digitais.

Mas, antes de conhecer como os golpistas agem, confira algumas orientações de como proceder caso você seja vítima de algum tipo de golpe:

  1. Aja rapidamente: assim que perceber que foi pego em um golpe, entre em contato com a instituição, empresa, banco ou estabelecimento comercial citado pelo criminoso durante o golpe, para avisar sobre o que aconteceu.
  2. Faça um boletim de ocorrências com o máximo de detalhes possível: isso é muito útil, principalmente se a fraude for em sua conta bancária ou cartão de crédito. No caso de estabelecimentos comerciais, você pode fazer registros do ocorrido no site consumidor.gov.
  3. Troque todas as senhas que utiliza na internet: esta ação é essencial caso você não saiba como seus dados foram roubados. Isso dará a você mais segurança, pois pode ser que um golpista tenha conseguido acessar suas contas de e-mail, banco e outras.
  4. E lembre-se de avisar também a Fundação Itaúsa Industrial, principalmente se teve algum dado roubado.

Agora que você já sabe como proceder, entenda a forma de atuação dos golpistas e quais os tipos de golpes que esses criminosos praticam!

Como agem os golpistas?

A principal técnica utilizada por golpistas para roubarem dados de suas vítimas é chamada de Engenharia Social. Basicamente, ela utiliza a psicologia para manipular as pessoas.

O objetivo é o de levar o indivíduo a realizar determinadas ações, como fornecer dados do cartão de crédito. Com isso, os golpistas conseguem roubar desde informações bancárias até invadir o sistema inteiro de uma empresa.

A título de ilustração, os fraudadores geralmente enviam SMS, mensagens instantâneas ou e-mails se passando por alguma instituição confiável, como empresa ou banco. O assunto da mensagem pode variar, mas normalmente costuma:

  • conter link ou algum download.
  • solicitar alguma ajuda (como uma doação para alguma causa social).
  • avisar sobre falha de segurança.
  • comunicar que o destinatário tem um dinheiro a receber ou que seu nome está no Serasa.

Dois termos são muito utilizados quando se trata de engenharia social: phishing e pharming.

Phishing x pharming

O phishing é um golpe no qual o hacker se passa por uma instituição séria, que é justamente o que fazem os engenheiros sociais. Já o pharming é uma técnica que redireciona o tráfego para um site falso. Normalmente, a vítima é direcionada para a página falsa de um banco.

O problema quando isso acontece é que os hackers conseguem acessar os dados digitados pela pessoa no site, tais como agência, conta e senha.

Golpes de clonagem de cartão via telefone

A engenharia social pode ocorrer também via telefone. Um dos golpes mais comuns que serve como exemplo são as clonagens de cartão via telefone.

É uma situação na qual os golpistas entram em contato com a vítima identificando-se como um funcionário de um banco ou da operadora de cartão. O suposto profissional questiona a pessoa sobre uma compra efetuada em seu nome.

A vítima, com receio de que seu cartão tenha sido clonado, fica vulnerável para fazer o que os criminosos mandarem. É então que eles aproveitam dessa vulnerabilidade para realizar o golpe.

Existem duas situações comuns: em uma delas, o criminoso pede para a pessoa cortar o cartão ao meio e entregá-lo a um motoboy que passará em sua residência. Na outra, o golpista entra em contato e, dizendo que vai agir com rapidez, transfere a ligação para outra área da empresa.

A situação é tão real que recentemente foi noticiado que os criminosos utilizam até a música de fundo na ligação. Assim como no caso anterior, neste golpe a vítima é solicitada a entregar o cartão “clonado” a um funcionário que passará na residência para coletá-lo.

Nos dois golpes, os criminosos, uma vez de posse do cartão, conseguem realizar compras virtuais normalmente.

Golpe de roubo de dados

Outro exemplo de engenharia social é o golpe de roubo de dados, o qual atinge muitas pessoas todos os dias. Mais uma vez, nesse caso os golpistas entram em contato com as vítimas por telefone, SMS ou aplicativos de mensagens e se passam por um funcionário de alguma loja, empresa, banco ou instituição.

O criminoso diz que precisa fazer uma atualização cadastral e pede para o indivíduo confirmar seus dados, o que não parece ser um problema em um primeiro momento. Acontece que os golpistas, ao fazerem isso, ganham a confiança da pessoa, que acaba passando informações valiosas. Com elas, os criminosos conseguem até mesmo pedir empréstimos no nome da vítima, dentre outras coisas.

Golpe do pagamento de boletos ou desconto para quitar dívidas

Nos dois casos os golpistas utilizam frases alarmantes em e-mails ou mensagens, como: “se você pagar sua dívida hoje terá um desconto de 80%” ou “você possui um boleto em aberto no nosso sistema”.

Essas são práticas também de engenheiros sociais, que buscam o mesmo resultado: fazer com que a pessoa clique em algum link malicioso para, então, roubar dinheiro ou os dados.

Como se proteger dos golpistas?

A regra para todos os casos citados aqui, e para quaisquer outros tipos de golpes que possam surgir é: nunca passar informações por telefone, e-mail ou mensagens. Lembre-se que dificilmente bancos farão esse tipo de solicitação.

O indicado, caso isso aconteça com você, é agradecer à pessoa pelo contato e, em seguida, contatar diretamente a empresa, instituição ou estabelecimento em questão.

Da mesma maneira, não clique em links ou faça downloads de mensagens suspeitas e alarmantes. Sempre que tiver dúvidas, o melhor caminho é entrar em contato com a empresa que enviou o e-mail ou a mensagem.

Nas compras pela internet, procure usar sempre o mesmo cartão de débito/crédito e, de preferência, opte pelos cartões virtuais. A maioria das instituições bancárias oferecem essa opção.

Para evitar cair em golpes de pharming, que são aqueles que direcionam as pessoas a sites falsos, observe se a página possui o cadeado ao lado do endereço (www). Isso mostra que o site é seguro.

Como você pode ver, esses cuidados simples podem evitar muitos problemas. Então, siga essas dicas e diminua as chances de ser uma vítima de cibercriminosos.

Notícias e publicações mais recentes
Ícone de um calendário
29/04/2022

Composição dos Conselhos e Diretoria Executiva

Ícone de link

Conheça a nova composição do Conselho Deliberativo, Conselho Fiscal e Diretoria Executiva para o período de gestão 2022-2024

Ícone de um calendário
29/04/2022

Relatório Anual 2021: transparência nos resultados e realizações da Fundação Itaúsa

Ícone de link

Ícone de um calendário
16/03/2022

Contribuição eventual on-line: nova ferramenta para turbinar a sua reserva financeira

Ícone de link

Voltar para a página anterior Ícone de link